MEU PERFIL
BRASIL, Sudeste, POCOS DE CALDAS, JARDIM FILIPINO, Mulher, de 26 a 35 anos, Portuguese, Informática e Internet, Animais, Praticar esportes


LINK DO BLOG


VejaBlog - Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil

Campanha do Agasalho 2009

HISTÓRICO

- 01/03/2010 a 31/03/2010
- 01/02/2010 a 28/02/2010
- 01/01/2010 a 31/01/2010
- 01/12/2009 a 31/12/2009
- 01/11/2009 a 30/11/2009
- 01/10/2009 a 31/10/2009
- 01/09/2009 a 30/09/2009
- 01/08/2009 a 31/08/2009
- 01/07/2009 a 31/07/2009
- 01/06/2009 a 30/06/2009



FAVORITOS

assinaturas personalizadas Educando e Aprendendo
Blog de Edmilson Filho
Tigre de Muleta
All Star



INDIQUE ESSE BLOG


CONTADOR

Código html:
Cristiny On Line



CASO DE DENGUE CAIRAM 46% NO BRASIL EM 2009

          

O novo balanço parcial de casos de dengue, divulgado ontem pelo Ministério da Saúde, aponta redução de 46,3% nas notificações da doença no país. Foram notificados 406.883 casos da doença, contra 758.051 no mesmo período de 2008. No entanto, Mato Grosso Sul apresenta o necessário totalmente inverso.

Nas 30 primeiras semanas de 2009, o Estado já contabilizou 12.441 notificações de casos de dengue, o que representa um crescimento superior a 206% no número de casos, se comparado com o total de notificações registradas no mesmo período de 2008. No ano passado, eram 4.065 notificações. MS aparece juntamente com Acre, Amapá, Bahia, Espírito Santo e Mato Grosso na lista dos Estados que tiveram um aumento no número de casos de dengue no Brasil.

Devido ao aumento do número de casos da doença, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, deverá visitar Mato Grosso do Sul e outros nove Estados nas próximas semanas. A série de visitas começa na quarta-feira da semana que vem, em Pernambuco. O objetivo é mobilizar a população e os governos locais.

Ontem, o Ministério da Saúde lançou a Campanha Nacional de Combate à Dengue 2009/2010. Com o mote “Brasil Unido contra a Dengue”, a iniciativa dá continuidade às ações de prevenção e enfrentamento da doença realizadas no país desde o ano passado. Durante o lançamento, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, enfatizou a necessidade de continuidade das ações de enfrentamento da doença nos Estados e municípios. “Os resultados mostram que estamos no caminho certo. O combate não pode parar. A dengue é um problema de saúde pública relevante e toda a população deve estar mobilizada por meio de medidas de prevenção e controle da doença”, afirmou.

A campanha começa a ser veiculada dois meses antes do início do período de maior transmissão da doença, que vai de janeiro a maio. É nesse intervalo que ocorrem, aproximadamente, 70% das notificações. Serão veiculados quatro filmes de TV e cinco spots para incentivar a mobilização social, o combate aos criadouros do mosquito Aedes aegypti e o reconhecimento dos sintomas da doença. Pela primeira vez, as crianças terão um filme direcionado especificamente para elas. A produção convoca os pequenos a integrar a “Turma do combate” e eliminar os focos do mosquito, em casa e na rua. Também há materiais direcionados a gestores, profissionais de saúde e educadores, entre outras peças publicitárias


- Postado por: Patrícia às 10h34
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Portadores de hepatite B terão novas opções de tratamento

             

Os portadores da hepatite B contarão com novas opções para tratamento – três medicamentos antivirais, que, associados a outros dois já adotados no Sistema Único de Saúde, ampliam as alternativas de tratamento para o controle da ação do VHB (o vírus causador da doença) no organismo (veja quadro).

As drogas fazem parte do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas – Hepatite Viral Crônica B e Coinfecções, lançado pelo Ministério da Saúde nesta terça-feira (27). Os medicamentos devem estar disponíveis nas unidades de saúde até o fim do primeiro trimestre de 2010.

Os medicamentos incorporados são os antivirais tenofovir, entecavir e adefovir. A lamivudina e o interferon convencional já fazem parte do protocolo anterior.

De acordo com dados do Estudo de Prevalência de Base Populacional das Infecções pelos Vírus das Hepatites A, B e C nas capitais do Brasil, 7,44% da população entre 10 a 69 anos já tiveram contato com o VHB (vírus causador da doença). Desses, quase todos o eliminaram do organismo. Mas 0,37% da população pesquisada, em torno de 127 mil pessoas, continuavam com o vírus. Ou seja, estavam com a forma aguda da doença ou desenvolveram a forma crônica.

A evolução para a forma crônica ocorre em aproximadamente 5% a 10% dos adultos expostos ao vírus. Associada ao consumo de álcool e fumo, à idade e ao histórico familiar, aumenta o risco de cirrose e câncer no fígado. É o tratamento que, ao reduzir a replicação da carga viral e o dano hepático, diminui as chances de evolução para essas doenças graves.

Vacina

A vacina contra hepatite B é uma das principais medidas de prevenção contra a doença. Após as três doses da vacina, mais de 90% dos adultos jovens e 95% das crianças e adolescentes ficam imunizados contra a doença. Ela é oferecida na rede pública a toda a população até 19 anos desde 1998. Também está indicada para grupos específicos, como profissionais de saúde, independentemente da faixa etária.

A cobertura acumulada atual é cerca de 80% da população nessa faixa etária. Isso equivale a mais 50 milhões de pessoas que receberam as três doses da vacina. Já na faixa etária de 11 a 19, a cobertura cai para 63%. É uma das prioridades do Ministério a ampliação dessa cobertura para perto de 80%.

Contágio

A hepatite viral B é transmitida pelo sangue, esperma e secreção vaginal. Assim, a transmissão pode ocorrer pela relação sexual desprotegida, pelo compartilhamento de objetos contaminados como: lâminas de barbear e de depilar, escovas de dente, alicates de unha, materiais para colocação de piercing e para confecção de tatuagens e instrumentos para uso de drogas injetáveis. A transmissão via transfusão de sangue e hemoderivados é rara em face da triagem sorológica obrigatória nos bancos de sangue (desde 1978 para a hepatite B e 1993 para a hepatite C).


- Postado por: Patrícia às 08h46
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




   CRACK E SEUS EFEITOS

O crack deriva da planta de coca, é resultante da mistura de cocaína, bicarbonato de sódio ou amônia e água destilada, resultando em grãos que são fumados em cachimbos.

O surgimento do crack se deu no início da década de 80, o que possibilitou seu fumo foi a criação da base de coca batizada como livre.

O consumo do crack é maior que o da cocaína, pois é mais barato e seus efeitos duram menos. Por ser estimulante, ocasiona dependência física e, posteriormente, a morte por sua terrível ação sobre o sistema nervoso central e cardíaco.

Devido à sua ação sobre o sistema nervoso central, o crack gera aceleração dos batimentos cardíacos, aumento da pressão arterial, dilatação das pupilas, suor intenso, tremores, excitação, maior aptidão física e mental. Os efeitos psicológicos são euforia, sensação de poder e aumento da auto-estima.

O crack no corpo

A maioria dos usuários prefere fumar crack, apenas uma minoria usa a droga injetável. Para fumar o crack, o usuário coloca a droga em um pequeno cachimbo de vidro. Com um pedaço pequeno de palha de aço em um lado do cachimbo e, do outro lado desse filtro, a pedra. Quando a pedra é aquecida por baixo, produz um vapor ou fumaça. O usuário aspira esse vapor para dentro de seus pulmões. A partir daí, a droga é levada à corrente sangüínea.

Quando chega no corpo, o crack age em uma parte do cérebro chamada área tegmental ventral (VTA). 

Lá, a droga interfere com um neuro-transmissor químico do cérebro chamado dopamina, que está envolvido nas respostas do corpo ao prazer. A dopamina é liberada por células do sistema nervoso durante atividades prazerosas, como comer ou fazer sexo. Assim que é liberada, a dopamina viaja através das lacunas existentes entre as células nervosas, fazendo uma sinapse, e se liga a um receptor em uma célula nervosa vizinha (também chamada neurônio). Isso envia um sinal àquela célula nervosa, que produz um sentimento bom. Em condições normais, assim que a dopamina envia esse sinal, ela é reabsorvida pelo neurônio que a liberou. Essa reabsorção acontece com a ajuda de uma proteína chamada transportador de dopamina.

O crack interrompe esse ciclo. Ele se liga ao transportador de dopamina, impedindo o processo normal de reabsorção. Depois de liberada na sinapse, a dopamina continua estimulando o receptor, criando um sentimento permanente de empolgação ou euforia no usuário. 

Como o crack é inalado na forma de fumaça, ele chega ao cérebro muito mais rápido que a cocaína em pó. Ele pode chegar ao cérebro e criar um barato em 10 a 15 segundos, enquanto a cocaína em pó inalada leva de 10 a 15 minutos para surtir o mesmo efeito. O barato do crack pode durar de 5 a 15 minutos.

Efeitos colaterais do uso do crack 

Ao mesmo tempo que cria uma sensação de alegria no usuário, o crack também deixa muitos efeitos significativos e potencialmente perigosos no corpo. As pessoas que o utilizam mesmo poucas vezes correm riscos de sofrer infarto, derrame, problemas respiratórios e problemas mentais sérios.

Ao percorrer a corrente sangüínea, o crack primeiro deixa o usuário se sentindo energizado, mais alerta e mais sensível aos estímulos da visão, da audição e do tato. O ritmo cardíaco aumenta, as pupilas se dilatam e a pressão sangüínea e a temperatura sobem. O usuário pode começar, então, a sentir-se inquieto, ansioso e/ou irritado. Em grandes quantidades, o crack pode deixar a pessoa extremamente agressiva, paranóica e/ou fora da realidade.

Devido aos efeitos no ritmo cardíaco e na respiração, o crack pode causar problemas cardíacos, parada respiratória, derrames ou infartos. Ele também pode afetar o trato digestivo, causando náusea, dor abdominal e perda de apetite.

Se o crack for inalado com álcool, as duas substâncias podem se combinar no fígado e produzir uma substância química chamada cocaetileno. Essa substância tóxica e potencialmente fatal produz um barato mais intenso que o crack sozinho, mas também aumenta ainda mais o ritmo cardíaco e a pressão arterial, levando a resultados letais.  



- Postado por: Patrícia às 11h02
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




AACD EM POÇOS DE CALDAS (MG)

  

A noite começou bem. Muito aplaudido, Silvio Santos entrou para comandar a reta final do programa e a entrada teve uma performance inesperada: SS ficou 30 segundos em silêncio e, em seguida, abriu a noite com a pergunta:

"Vocês já imaginaram ficar mais de dois anos em uma fila esperando pelo tratamento"?

Exatamente à 0h24 foi superada a meta de R$ 19 milhões e o Teleton 2009 terminou. No palco, Silvio Santos, Hebe Camargo, Claudia Leitte e Daniel.

O placar final das doações foi de  R$ 19.345.615,00

O programa terminou por volta da 0h33 e a música tema do encerramento foi Faz Um Milagre Em Mim, de Régis Danese, um grande hit da atualidade. Seu cantor tem trânsito livre em várias emissoras.

No balanço geral, o Teleton 2009 superou as expectativas em todos os sentidos. Um grande trabalho!

Após atingir e ultrapassar a marca de 19 milhões, o presidente da AACD, Dr. Eduardo de Almeida Carneiro, afirmou que a 12ª sede da entidade será erguida na cidade mineira de Poços de Caldas. Silvio Santos lembrou que a doação continuará sendo de 5 reais, motivo este, para segundo ele, se manter à frente do programa. Um pouco depois da meia-noite e meia, diferente de anos anteriores.



- Postado por: Patrícia às 09h55
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




             TRANSPLANTES

Novas regras do Ministério da Saúde devem diminuir espera dos pacientes

O Ministério da Saúde divulgou, nesta quarta-feira, várias mudanças nas regras de prioridade para recebimento de órgãos no país. Uma das alterações estabelece que pessoas com menos de 18 anos passarão a ter prioridade para receber órgãos de doadores da mesma faixa etária.

O critério usado pelo ministério foi a maior expectativa de vida desses pacientes. O governo também pretende incorporar ao trabalho do Sistema Único de Saúde (SUS) a cirurgia de retirada e o processamento de pele, uma ação inédita no Brasil. O tratamento é indicado para casos de grandes queimaduras.

Investimento no programa será de R$ 24 milhões

De acordo com as novas regras, doadores com doenças transmissíveis poderão doar para pacientes que tenham o mesmo vírus. Os órgãos de um doador com hepatite C, por exemplo, poderão ser transplantados para um portador da mesma doença.

O transplante entre pessoas vivas também sofreu modificações. Antes era preciso uma autorização judicial. Com o novo regulamento, uma comissão de ética formada por funcionários do hospital onde será realizado o procedimento vai autorizar o transplante.

O investimento nas mudanças será de R$ 24,1 milhões neste ano e no próximo. Além de dobrar o valor pago a procedimentos de captação de órgãos, novos procedimentos, como consulta de acompanhamento pré-transplante, avaliação dos possíveis doadores, cirurgias para obtenção de tecidos humanos e processamento de pele, serão incorporados ao orçamento — o que terá um custo de R$ 14,3 milhões em 2009 e 2010.



- Postado por: Patrícia às 08h54
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




    Os benefícios do ômega 3

O omega 3 é um tipo de gordura, conhecido como ácido graxo essencial pois é muito importante para uma boa saúde.

O corpo humano não é capaz de produzir omega 3, tendo que obtê-lo da alimentação.

Um grande número de pesquisas vem demonstrando os benefícios do omega 3 para o coração e todo sistema circulatório.

Os benefícios do omega 3 incluem:

  • Atividade antiinflamatória;
  • Atividade anti-trombos (entupimento dos vasos sanguíneos);
  • Redução dos níveis de colesterol e triglicerídeos e
  • Redução da pressão arterial.

Os benefícios do omega 3 estendem-se para a redução do risco de desenvolver diversas doenças, incluindo:

  • Diabetes;
  • Acidente vascular cerebral (derrame);
  • Artrite reumatóide;
  • Asma;
  • Síndromes inflamatórias intestinais (colites);
  • Alguns tipos de câncer;
  • Declínio mental.

Alguns estudos também indicam que o Omega 3 traz benefícios para o humor, o aprendizado e para o sistema imunológico.

Os melhores alimentos ricos em  ômega 3

As melhores fontes de omega 3 são os peixes, algumas espécies possuem maior quantidade.
Peixes ricos em omega 3
Cavala
Arenque
Sardinha
Salmão
Atum
Bacalhau

Outras importantes fontes de omega 3:

  • Semente de linhaça
  • Castanhas e nozes
  • Óleos vegetais (azeite, óleo de soja, canola)
  • Vegetais de folhas verdes escuro.

Quanto consumir?

Recomenda-se a ingestão de pelo menos 2 porções de peixe por semana, mas se for possível incluir outras fontes de omega 3 maiores serão os benefícios.

O que evitar?

Os peixes devem ser assados, cozidos ou grelhados. Não se deve fritá-los, pois este processo destrói o omega 3.

Alguns peixes são pobres em omega 3, dentre eles a tilápia, que contém quantidades de Omega 6 semelhantes à carne vermelha.

Apesar de os benefícios do ômega 3 serem comprovados cientificamente, seu consumo numa dosagem muito além daquela encontrada nos peixes preocupa os pesquisadores, pois ainda não se sabe que efeitos essas altas doses podem ter no organismo a longo prazo. Atualmente ele é largamente comercializado nas farmácias na sua forma concentrada em cápsulas, algo que ainda não foi avaliado pela ciência.

 



- Postado por: Patrícia às 08h26
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




     LABIRINTITE E OS CUIDADOS

A labirintite é uma desordem do equilíbrio geralmente seguinte a uma infecção no trato respiratório superior. Como o nome sugere, a labirintite é uma processo inflamatório que afeta os labirintos, os quais abrigam o sistema vestibular no ouvido interno.

A recuperação de labirintite aguda geralmente leva de 1 a 6 semanas, porém não é incomum que sintomas residuais (desequilíbrio e/ou tontura) permaneçam por muitos meses ou até anos.

 

Sintomas da labirintite

Labirintite causa vertigem, desequilíbrio e algumas vezes movimentos involuntários dos olhos. É comum a perda de audição no ouvido infectado. Também são comuns náusea, ansiedade e sensação de mal estar devido aos sinais de equilíbrio distorcidos que o cérebro recebe do ouvido.

Causas da labirintite 

Parece que a labirintite é causada por um vírus, mas ela também pode ocorrer devido a infecção por bactéria, lesão na cabeça, alergia ou reação a um determinado medicamento. Tanto a labirintite viral como bacteriana pode causar perda de audição permanente, embora isso seja raro. 

Labirintite e ansiedade

Ansiedade crônica é um efeito colateral comum da labirintite, o qual pode produzir tremores, palpitações do coração, ataques de pânico e depressão. Geralmente o ataque de pânico é um dos primeiros sintomas que ocorrem quando a labirintite começa.
 
Tratamento da labirintite
 

É importante tratar qualquer desordem de ansiedade e/ou depressão tão logo possível para permitir ao cérebro compensar qualquer dano vestibular. Ansiedade aguda pode ser tratada a curto prazo com benzodiazepinos, como diazepam, porém o uso a longo prazo não é recomendado por causa da característica desses medicamentos de criar dependência.

Evidência sugere que Inibidores Seletivos de Recaptação da Serotonina podem ser mais eficientes no tratamento de labirintite. Eles agem aliviando os sintomas de ansiedade e podem estimular novos crescimentos neurais dentro do ouvido interno. Alguma evidência sugere que labirintite viral deve ser tratada o mais cedo possível com corticosteróides, e possivelmente medicação antiviral, para prevenir danos permanentes ao ouvido interno.

Terapia de Reabilitação Vestibular é uma forma de eliminar ou reduzir a tontura residual decorrente da labirintite. Ela funciona ao fazer com que o cérebro utilize mecanismos neurais já existentes.



- Postado por: Patrícia às 09h11
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




DDA - Distúrbio do Déficit de Atenção

      

Há mais de cem anos a literatura médica vem comentando um distúrbio, conhecido atualmente como "DDA" ou "Distúrbio do Déficit de Atenção", do inglês "ADD (Attention Deficit Disorder)".

Revendo as vidas de vários personagens importantes da história universal, podemos hoje relacionar diversos fatos de suas condutas aos sintomas do DDA.

Até mesmo na Grécia antiga, andar completamente nu, à luz do dia, durante a semana, era considerado estranho. Foi o que fez o célebre Arquimedes, conhecido por um "insight" durante um banho de banheira. Muito impulsivo, Arquimedes acabou sendo morto por um soldado o qual insultou.

Albert Einstein, quando aluno, freqüentemente esquecia-se de suas chaves e precisava acordar sua senhoria durante a madrugada para poder entrar em casa. Quando estudava em Princeton, era conhecido por sair de casa na neve usando pantufas.

Há um sem número de exemplos de pessoas conhecidas por suas excentricidades como também por suas inteligências superiores que poderíamos classificar por hiperativas ou por portadoras de Distúrbio do Déficit de Atenção.

O DDA não é uma novidade.

As crianças impulsivas ou que freqüentemente agem sem pensar vêm sendo estudadas há décadas. Os pesquisadores atribuem as dificuldades das crianças hiperativas à mecanismos que governam a sustentação da atenção e do esforço, controles inibidores e à modulação dos níveis necessários para a realização de tarefas.

O Distúrbio do Déficit de Atenção (DDA) vem movimentando médicos, psicólogos, psicopedagogos, professores, fonoaudiólogos e pais em busca de explicações para a conduta, especialmente de crianças que não param sentadas, interrompem atividades antes de completá-las, parecem não ouvir o que lhes é dito, perdem objetos com freqüência, e outros. Tais comportamentos vem sendo freqüente, e por vezes prematuramente, atribuídos ao DDA.

Causas e Diagnóstico

Até o momento não são conhecidas causas conclusivas do problema e algumas possibilidades devem ser consideradas:

• Herança genética;
• Traumatismos cerebrais pré, peri ou pós-natais, incluindo trabalhos de parto por períodos maiores que 13 horas;
• Danos cerebrais causados por toxinas (infecções bacterianas, viroses, alcoolismo na mãe, intoxicação por metais).

Muitos profissionais vêm diagnosticando o DDA simplesmente pelo que ouvem dos pais e professores sobre o comportamento das crianças em casa e em sala de aula e por uma observação superficial das mesmas. Em alguns casos, um questionário em forma de anamnese é usado, embora isso só venha a quantificar as descrições.

Aí, talvez esteja surgindo um "novo" antigo mal que parece se repetir em nossa sociedade a cada nova patologia identificada pela ciência: a "rotulação" do indivíduo e sua conseqüente segregação.

Devemos lembrar que há pouco tempo atrás, durante os anos 70 e 80, muitas de nossas crianças obtiveram diagnósticos injustificados de hiperatividade e disfunção cerebral mínima por apresentarem condutas de agitação, falta de atenção e baixo rendimento escolar. Tais diagnósticos, em grande parte dos casos, somente vieram a acrescentar mais uma dificuldade à vida dessas crianças e à de seus pais: a da discriminação e exclusão que somente agravam sua dificuldade de socialização.

Nos Estados Unidos um memorando do Departamento de Educação do ano de 1991 observa que as crianças com diagnóstico de DDA são elegíveis para os serviços de educação especial e/ou salas de aula adaptadas segundo Leis Federais que regulamentam a educação para os portadores de necessidades especiais.

Segundo os critérios de classificação americanos, as crianças com DDA podem ser classificadas segundo a Lei como "portadoras de problema de saúde crônico ou agudo acarretando estado de alerta limitado que afeta desfavoravelmente o rendimento escolar".

Ainda a seção 504 da Lei de Reabilitação de 1973, dos direitos civis americanos, define uma pessoa deficiente como "qualquer pessoa que tenha impedimento físico ou mental que limite substancialmente suas atividades normais (ex.: aprendizado)."

Portanto, uma criança portadora de DDA está incluída em tal definição de deficiente à luz da Lei.

No Brasil, o Decreto N.º 914, de 06 de setembro de 1993, capítulo I, Art. 3.º tem o seguinte texto: "Considera-se pessoa portadora de deficiência aquela que apresenta, em caráter permanente, perdas ou anormalidades de sua estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica, que gerem incapacidade para o desempenho da atividade, dentro do padrão considerado normal para o ser humano."

Parece-nos razoável entender então que poderíamos considerar como portadora de deficiência a criança com um diagnóstico de DDA se levarmos em consideração os sintomas descritos no Manual de Diagnóstico e Estatísticas de Distúrbios Mentais da Associação Americana de Psiquiatria - 1987, relacionados abaixo:

• Freqüentemente movimenta mãos ou pés ou se contorce na cadeira (em adolescentes pode estar limitado à sentimentos subjetivos de desconforto).
• Tem dificuldade de permanecer sentado quando solicitado.
• Distrai-se facilmente com estímulos externos.
• Tem dificuldades de aguardar a vez em jogos ou situações de grupo.
• Freqüentemente responde as perguntas antes destas serem completamente formuladas.
• Tem dificuldade de seguir completamente as instruções dadas (não por birra ou falha na compreensão).
• Tem dificuldade de manter a atenção centrada nas tarefas ou atividades lúdicas.
• Freqüentemente troca de uma atividade incompleta para outra.
• Tem dificuldade de brincar quieto.
• Freqüentemente fala excessivamente.
• Freqüentemente interrompe ou intromete-se nas atividades dos outros.
• Freqüentemente parece não estar ouvindo o que se lhe diz.
• Freqüentemente perde coisas necessárias para tarefas ou atividades na escola ou em casa (brinquedos, livros, lápis, etc.).
• Freqüentemente envolve-se em atividades fisicamente arriscadas sem considerar as possíveis conseqüências (não em busca de aventura) como atravessar repentinamente a rua sem olhar.

O fato é que o DDA é um distúrbio muito comum e afeta cerca de 5 a 6% das crianças em idade escolar sendo mais freqüente nos meninos (3 para cada menina, segundo Kendall, 1993).

A hiperatividade é conceituada como um subtipo do DDA que a inclui.

Atualmente o diagnóstico de hiperatividade reflete um conceito no qual componentes cognitivos e motores coexistem e envolve atividade motora elevada, impulsividade, déficit na atenção e na conduta social e agressividade.

Como epistemólogos e a partir de uma visão holística do indivíduo, não poderíamos deixar de conjugar uma avaliação psicológica a avaliação médica bem como de proceder ao estudo de cada caso tomando em consideração também os aspectos da dinâmica familiar que poderiam iluminar um diagnóstico e prognóstico mais precisos e que busquem privilegiar a saúde.

Não são raras as vezes em que observamos nas famílias de nossos clientes relações permeadas pela falta de diálogo e de atenção, pela agitação e a tensão, pela desvinculação do grupo na busca de seus próprios objetivos. Não estariam muitas dessas crianças, ditas deficientes, apenas repetindo os padrões vividos nesse contexto? Poderíamos justificar apenas com obstáculos funcionais o seu desenvolvimento cognitivo e conduta social inadequados?

Acreditamos que as hipóteses de DDA devem ser verificadas por equipes multidisciplinares e que um diagnóstico seguro somente poderá ser obtido após criterioso trabalho de levantamento histórico dos comportamentos relatados e de suas possíveis causas, muitas das vezes doenças sociais instaladas no seio da família e da escola.

Prognóstico

Não há consenso quanto a um tratamento adequado ou único. Os sintomas sugerem que o mesmo inclua medicação, aconselhamento e treinamento dos tutores, aconselhamento do paciente e ambiente adequado ao aprendizado.

O tratamento requer persistência da família e dos profissionais envolvidos além de uma postura adequada da escola e especialmente do professor que precisa compreender bem o que se passa com a criança.

Muitos professores reconhecem o que muitos profissionais ainda negam: os distúrbios atribuídos ao DDA nunca vêm sozinhos. Junto deles aparecem as dificuldades de aprendizagem e os problemas de humor, a inconstância e a imprevisibilidade das crianças.

O aluno "distraído" observa tudo a sua volta exceto aquilo que deveria estar observando naquele momento. Ao contrário, o aluno que tem um período curto de atenção observa muito pouco. As crianças com DDA sabem o que está acontecendo a sua volta, mas nem sempre participam ativamente como as outras. Elas se dispersam com facilidade e têm grande dificuldade de modificar tal comportamento. Por esse motivo muitas vezes uma medicação adequada é indicada e deve ser levada em consideração apesar dos desagradáveis efeitos colaterais que algumas substâncias podem causar.

É comum que o avanço da idade traga melhoras aos períodos de atenção e facilite a terapia centrada na modificação dos hábitos negativos e valorização das atitudes positivas.

Aspectos Positivos do DDA

O DDA tem muitas conotações negativas e, infelizmente, por causa disso, as características positivas das pessoas diagnosticadas são ignoradas apesar destas demandarem maior incentivo nesse sentido.

Até o momento estão relacionadas algumas características positivas freqüentes nos portadores do DDA:

• Sensibilidade.
• Compreensão dos sentimentos alheios.
• Sentimentos profundos.
• Naturalmente criativos (incluindo a solução de problemas).
• Inventivos.
• Freqüentemente vêem as coisas de uma perspectiva peculiar.
• Bons em encontrar coisas perdidas (como pessoas em uma multidão).
• Têm percepção acurada.
• Cômicos.
• Espontâneos.
• Engraçados.
• Energéticos.
• Abertos, transparentes.
• Não guardam ressentimentos.
• Rápidos nas atividades que gostam de realizar.
• Difíceis de enganar.
• Penetram as pessoas e situações vendo além das aparências.
• Seguros.
• Sociáveis.
• Multidisciplinares.
• Originais.
• Observadores.
• Leais.
• Tendidos a realizarem tarefas porque querem e não porque devem.

O constante estímulo destas habilidades e de todas as que as crianças acometidas pelo DDA possam apresentar, representam um grande passo na direção da minimização dos sintomas habitualmente descritos e na construção de uma forte auto-estima, tão necessária nestes casos.

É justamente na escola que encontraremos, enquanto terapeutas, nossos maiores aliados ou nossos mais impiedosos inimigos.



- Postado por: Patrícia às 08h18
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




Circulação Sanguínea

A Circulação Sanguínea, composta pelo coração e pelos vasos sanguíneos, que são as artérias, veias e capilares, tem a função de levar para todas as partes do corpo alimento e oxigênio, bem como retirar dele substâncias desnecessárias. Em seu percurso pelo organismo, o sangue é impulsionado pelo coração, através das artérias, a todas as células do corpo, oxigenando os tecidos e recolhendo o gás carbônico. E é através das veias que este sangue, rico em gás carbônico e detritos, retorna ao coração, de onde é bombeado aos pulmões, que será novamente oxigenado pela respiração.
 
A má circulação nos vasos cerebrais pode ocasionar algumas doenças como o acidente vascular cerebral ou AVC, que é o comprometimento súbito da função cerebral causado por alterações em um ou vários vasos sangüíneos do cérebro. Os principais fatores que predispõem um indivíduo aos AVCs são: aterosclerose, hipertensão arterial, diabetes, obesidade, tabagismo e doenças cardíacas. Portanto, a prevenção é o melhor caminho para reduzir o risco de desenvolver o AVC.

As células de todos os seres vivos necessitam de alimento e também de oxigênio. No caso do ser humano, seu corpo apresenta órgãos especiais que possuem a função de digerir os alimentos a fim de absorverem o oxigênio do ar (digestão e respiração), contudo, é necessário que esse alimento seja levado para todas as células. Para isso, existe o sistema circulatório, que leva o alimento e o oxigênio para todas as partes do corpo.

O sangue é vital para a vida das células, pois, além levar alimento e oxigênio para elas, ele também retira delas as sobras das substâncias que já não lhe são úteis. Seu percurso por todo o corpo ocorre através das veias e artérias, que se subdividem até formar vasos extremamente finos, atingindo, desta forma, todas as células. 

O papel do sangue é extremamente importante, pois ele retira os nutrientes dos órgãos de digestão e o oxigênio do pulmão para levar estas substâncias para as células, para tanto, ele é impulsionado pelo
coração e, assim, faz seu percurso pelas artérias (veias que saem do coração), em sua forma boa e limpa. 

Durante sua trajetória pelo corpo, o sangue é filtrado pelos rins, deixando neste órgão muitos dos detritos das células. Ao regressar, ele carrega gás carbônico que absorveu das células, uma vez que, em seu lugar, deixou o oxigênio. 

Após este processo, o sangue retorna ao coração, através das veias, que o transportam em sua forma ruim e sem oxigênio. Para melhorar a qualidade sanguínea, o coração envia o sangue aos
pulmões, para que, desta forma, o gás carbônico seja trocado pelo oxigênio, e, em seguida, o impulsiona de volta ao corpo.

O sistema composto pelas artérias e veias que levam o sangue aos pulmões e em seguida ao coração, é chamado de pequena circulação. Já no caso do sangue que parte do coração pelas artérias, seguindo em direção ao resto do corpo e retornando pelas veias, recebe o nome de grande circulação.



- Postado por: Patrícia às 09h42
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




                  O QUE É A QUITOSANA ?

A quitosana é uma fibra revolucionária que auxilia a perda de peso e a redução do colesterol, desenvolvido no Parque Tecnológico da Universidade Federal do Ceará, que tem como constituinte uma fibra natural com tecnologia de produção patenteada por pesquisadores da Universidade Federal do Ceará. 

 QUE FIBRA É ESSA?  A quitosana é um revolucionário produto natural obtido a partir de carapaças de crustáceos, que apresenta uma alta capacidade de se ligar a gorduras, podendo se ligar de 8 a 10 vezes o seu peso em gorduras, isto significa dizer que cada grama desta fibra captura de 8 a 10 gramas de gordura. Isto representa cerca de 81Kcal. Na dosagem sugerida (3 gramas/dia) pode ocorrer um bloqueio de aproximadamente 220Kcal na forma de gorduras. Desta forma, fica claro que a fibra pode atuar de forma significativa como auxiliar na perda de peso. 

 COMO UMA FIBRA PODE AUXILIAR A PERDA DE PESO? Ao ser ingerida, a fibra se transforma em um gel no estômago, que tem alta capacidade de absorver gorduras. Após serem capturadas pelo gel, as gorduras não podem mais ser aproveitadas pelo organismo, sendo posteriormente excretadas nas fezes junto com esta fibra. Portanto, toda a caloria presente nestas gorduras não será aproveitada pelo organismo. Existem dezenas de estudos clínicos que comprovam esse efeito

 ENTÃO ESTA FIBRA NATURAL ATUA DO MESMO MODO QUE O XENICAL? Basicamente sim e a comparação é inevitável. O que difere entre eles é que enquanto a fibra (Quitosana) captura as gorduras dos alimentos atuando como uma esponja, o Xenical (medicamento) atua quimicamente inibindo as enzimas digestivas que dissolvem a gordura. Mas os dois produtos atuam basicamente pelo mesmo princípio: impedindo a absorção de gorduras pelo organismo antes que sejam metabolizadas, anulando o seu efeito calórico.   

 TOMANDO QUITOSANA, QUE QUANTIDADE DE GORDURA PODE SER ELIMINADA POR DIA ? Pela ingestão diária recomendada, a QUITOSANA pode eliminar até 24 gramas de gordura diariamente, o que corresponde aproximadamente 220 calorias a menos na alimentação, que representa algo em torno de 8-10% do total das calorias obtidas da alimentação. 

  ESTE PRODUTO É UTILIZADO EM OUTROS PAÍSES? Claro! A fibra natural QUITOSANA é utilizada a mais de uma década no Japão, onde atualmente existem mais de 10.000 médicos indicando o produto no combate à obesidade moderada e colesterol. A própria QUITOSANA é aprovada pelo FDA, sendo comercializado nos EUA. O produto é também comercializado em vários países da Europa. 

  TOMANDO A QUITOSANA, É NECESSÁRIO FAZER DIETA PARA PERDER PESO? Teoricamente, a QUITOSANA promove a perda de peso sem alteração significativa na dieta alimentar. Entretanto se a pessoa que estiver tomando o produto fizer uma restrição no consumo de carboidratos e proteínas irá obter um melhor resultado, uma vez que o produto atua exclusivamente sobre as gorduras. Por outro lado, se a pessoa fizer uso excessivo de massas (carboidratos) e doces, poderá até ganhar peso, mesmo utilizando a quitosana na dosagem recomendada. É importante lembrar que a prática de exercícios é fundamental para qualquer programa de perda de peso e emagrecimento. 

  A QUITOSANA APRESENTA ALGUMA CONTRA-INDICAÇÃO ? A QUITOSANA está enquadrada no moderno conceito de alimento funcional e não apresenta contra-indicações. Diversos estudos científicos publicados na literatura e em livros confirmam a sua segurança de uso. A única restrição existente é para pessoas alérgicas a crustáceos. Estas pessoas só devem fazer o uso do produto sob acompanhamento médico.  

  VOCÊ FALOU EM ALIMENTOS FUNCIONAIS, O QUE QUER DIZER ESSE NOVO CONCEITO ? O conceito de alimentos funcionais criado recentemente, abrange uma categoria de produtos que estão situados em uma classificação entre os alimentos tradicionais e os medicamentos, pois são alimentos que promovem melhoria para saúde, prevenindo e até tratando alguns tipos de enfermidades.  



- Postado por: Patrícia às 10h20
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




                  MAU HALITO

Cercada de mitos e preconceitos, a halitose, também conhecida como mau hálito, atinge mais de 30% dos brasileiros, que na maior parte dos casos não percebem que têm o problema, que causa muitos incômodos e constrangimentos para as outras pessoas. Não é doença, mas sim um sinal de que algo no organismo está em desequilíbrio e é preciso identificar a origem para fazer o tratamento adequado. O problema incomoda tanto as relações interpessoais que a Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas dos Odores da Boca (ABPO), entidade que se dedica a estudá-lo, estabeleceu 22 de setembro como Dia Nacional de Combate ao Mau Hálito.

"Existem mais de 50 causas para o mau hálito, mas grande parte advém de problemas na boca, como higiene malfeita, placas bacterianas, baixa produção de saliva e doenças da gengiva. As moléstias do aparelho digestivo também podem provocá-lo, porém com incidência bem menor, ao contrário do que boa parte da população imagina", explica o médico gastroenterologista Eduardo Berger.

O fato de o portador não perceber e de as pessoas que convivem com ele preferirem não se indispor ao alertá-lo, acaba sendo um entrave para o tratamento. "É importante superar o constrangimento e conscientizar quem tem halitose para a necessidade de buscar ajuda", diz o médico.

Dicas para amenizar o problema

• Evite jejum prolongado, fracionando as refeições de 3 em 3 horas. Essas pequenas refeições devem conter, de preferência, algum tipo de carboidrato e fibra. Assim, as reservas de carboidratos estarão sendo supridas evitando a manifestação de halitose causada pela queima de gordura, devido à queda dos níveis de glicose. Já as fibras, além de forçarem a mastigação, estimulam mecanicamente o funcionamento das glândulas salivares e favorecem o bom funcionamento intestinal.

• Beba bastante água.

• Faça bochechos com produtos anti-sépticos ao levantar e pelo menos uma hora antes de algum contato mais próximo.

• Faça exercícios de relaxamento para baixar o nível de ansiedade.

• Não fique com a boca fechada por muito tempo. Movimentos repetitivos da mandíbula estimulam a produção de saliva.

Há solução para 99% dos casos

Segundo Eduardo Berger, há solução para 99% dos casos de mau hálito, mas é fundamental descobrir a causa do problema. "Um cirurgião dentista ou um otorrinolaringologista poderão ajudar no diagnóstico. Entre os problemas gastrointestinais que causam mau hálito um dos mais comuns é a Doença do Refluxo Gastroesofágico, sobretudo quando outros sintomas se manifestam paralelamente, como azia, arrotos, soluços, engasgos, dor atrás do osso esterno, sensação de corpo estranho na garganta ou de retorno de líquido azedo à boca, pigarro, rouquidão, tosse e aftas", informa o especialista.

Doenças do fígado, deficiência de vitamina A e D, diabetes, intestino preso e estresse também podem causar halitose. Entre os fatores bucais, a causa mais comum é a higiene oral inadequada e conseqüente formação da saburra lingual e placas dentárias. Há também halitose matinal, as causadas por fome, regime, tabagismo ou alimentos de odor carregado. Conheça os motivos de alguns desses tipos na explicação da nutricionista Jocelem Salgado:

Problema aumenta com a idade

Segundo pesquisa da ABPO, a incidência do mau hálito na população brasileira é de 17% na faixa etária de zero a 12 anos, 41% de 12 a 65 anos, e 71% acima de 65 anos, devido à redução da função das glândulas salivares.

Halitose matinal

Geralmente intensa, fisiológica e generalizada, pode ocorrer em quase todas as pessoas em maior ou menor grau. Durante o sono há redução do fluxo salivar, acúmulo e putrefação de células descamadas, alimento e saliva, além de leve hipoglicemia (cai o nível de glicose sanguínea) devido ao longo período sem alimentação. O comer e escovar os dentes pela manhã remove a halitose, mas se algum odor permanecer após a quebra do jejum matinal, merece cuidados especiais quanto ao diagnóstico, tratamento e controle.

Halitose por língua saburrosa

Formação de material branco ou amarelado, que se deposita no dorso da língua. A saliva exerce papel importante na halitose, já que atua como um detergente natural da cavidade bucal. A redução de fluxo salivar favorece a maior formação de saburra lingual. Halitose por diabetes: Nos pacientes diabéticos, por dificuldade em metabolizar a glicose sangüínea, há formação de corpos cetônicos eliminados via pulmonar, da mesma forma que na halitose por regime.

Halitose por alimentos de odor carregado

Alguns alimentos possuem fortes odores próprios (alho, cebola), que passam à corrente sangüínea e são excretados. Já as bebidas alcoólicas em excesso apresentam dois agravantes: ressecam a mucosa bucal, aumentando a descamação, e provocam alteração da microbiota intestinal com fermentação odorífera capaz de produzir mau hálito.

Halitose do tabagismo

Os fumantes têm o odor exacerbado devido ao cheiro do tabaco utilizado e, além disso, a fumaça agride a mucosa favorecendo a sua descamação e reduzindo o fluxo salivar, propiciando a formação da saburra lingual.

Halitose do estresse

O controle do fluxo salivar está na dependência do equilíbrio do sistema nervoso central. Nos pacientes estressados poderá haver uma redução do fluxo salivar em diferentes graus, com possível formação de saburra lingual.



- Postado por: Patrícia às 14h23
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




         ERVA DOCE

NOME CIENTÍFICO

Pimpinella anisum

DESCRIÇÃO DA PLANTA

Esta planta atinge até 35 cm de altura. Suas folhas são verdes, sendo as inferiores orbiculadas, as médias penadas, e as superiores inteiras ou bipartidas. As flores apresentam-se em buquês brancos e produzem frutos ovóides, ligeiramente alongados.

AROMA E SABOR

Aroma e sabor quente e marcadamente doce.

ORIGEM

  • Egito

COMPOSIÇÃO

  • rica em celulose
  • cálcio
  • fósforo
  • vitaminas do complexo B

PROPRIEDADES

  • expectorante
  • diurética
  • digestiva
  • coagulante

FUNÇÕES TERAPÊUTICAS

  • alivia cólicas causadas por gases
  • combate diarréia e vómitos

HISTÓRICO E CURIOSIDADES

Em 1500 ªC. já era usada em alimentos e bebidas, além de ser aproveitada por suas propriedades medicinais.

Os romanos usavam a Erva-Doce no preparo de um bolo que era servido ao final dos banquetes.

Na Antiguidade, esta erva era tão valiosa, que a Inglaterra pagava impostos sobre a sua importação.

O período de safra vai de julho a outubro.

PARTES USADAS

Caule – xarope e licores
Raiz – (infusão) para efeitos diuréticos
Sementes – (infusão) alivia cólicas causadas por gases, combate diarréia e vômitos
Folhas – usadas como condimento e infusão

FORMAS EM QUE SE ENCONTRA

Fresca, desidratada ou em pó.

COMO CONSERVAR

Fresca

Lave bem as folhas e coloque-as num recipiente fechado ou em sacos plásticos, e guarde-as na geladeira por três a quatro dias.

Seca ou desidratada

Guarde-a em vidros fechados (de preferência escuros), em local protegido da luminosidade e umidade.

CURIOSIDADES MISTICAS

Se incenso é eficaz contra “olho gordo”, funciona como afrodisíaco, promove harmonia, paz e prosperidade.

USO GERAL

Utilizada na culinária e na cosmética. È usada na forma de sabonete para combater rugas, e para limpeza de pele, por suas propriedades de remover impurezas.

USO INDICADO EM ALIMENTOS

  • carnes
  • biscoitos
  • bolos
  • chás
  • saladas
  • arroz
  • massas
  • cremes com leite

A erva doce é uma planta muito conhecida e utilizada devido as suas múltiplas possibilidades de aplicação. Ela pode ser usada na área da saúde, beleza e culinária, suas principais utilidades são vistas em:

  •  

    - Ajuda no emagrecimento associada a uma dieta saudável;
    - Usada em travesseiros aromatizados devido seu aroma agradável estimulando o relaxamento de todo o corpo;
    - Na culinária a erva doce é muito utilizada em receitas de bolos, pães, saladas, sucos, drinques, entre outros;
    - É muito usada para tratamentos de pele;

    Por meio da ingestão do chá:

    - Usada contra cólicas de bebês;
    - Melhora de tosses e bronquite por apresentar papel expectorante;
    - Melhora problemas digestivos e gases;
    - Durante a amamentação o chá de erva doce associado ao consumo de água é um excelente estimulante à produção de leite;
    - Previne a retenção de líquido comum de acontecer principalmente no verão;
    - No período de finalizar a amamentação materna noturna, o ideal é trocar a mamada pelo chá de erva doce, com isso o bebê vai deixar de acordar de madrugada para mamar;

    O ideal e a melhor maneira para se consumir a erva doce é em forma de chá. Criar o hábito diário de consumir chá de erva doce junto a hábitos alimentares adequados o ajudarão a ter uma pele mais saudável e bonita e seu organismo se tornará mais equilibrado, além, de suas propriedade na melhora do relaxamento do corpo. Os chás, sem açúcar, não possuem nenhum valor calórico e por isso, podem ser consumidos livremente.

  • COMO FAZER: Coloque 1 colher de sopa de erva para um litro de água, quando a água alcançar fervura, desligue. Tampe e deixe a solução abafada por cerca de 10 minutos. Em seguida, é só coar e beber. 

    COMO BEBER: Tomar de 2 a 3 xícaras ao dia. 



- Postado por: Patrícia às 08h15
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




        Cigarro eletrônico

Brasília - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu formalmente o comércio e a importação do cigarro eletrônico, dispositivo eletrônico usado para simular o ato de fumar. A resolução publicada no Diário Oficial da União  é resultado de decisão tomada em reunião da Anvisa .

A proibição de produtos que se apresentem como alternativa ao tratamento do tabagismo é válida para todo o país e levou em consideração a falta de comprovação científica sobre a eficácia e segurança do produto. O cigarro eletrônico nunca teve registro no país. Depois de uma consulta pública, que contou com a participação de órgãos de defesa do consumidor, a Anvisa decidiu pela proibição.

O cigarro eletrônico é invento da empresa chinesa Golden Dragon Group, como alternativa ao tabagismo. Formado por um inalador, um cartucho, um chip e uma bateria recarregável, tem aparência semelhante ao cigarro convencional e emite um vapor não prejudicial à saúde. Mas em análise realizada pela Organização Mundial da Saúde, descobriu-se diversas substâncias tóxicas envolvidas em sua fabricação o que levou a organização a aconselhar sua proibição.

De acordo com estudos realizados pela FDA, agência equivalente à Anvisa os Estados Unidos, os dispositivos do cigarro eletrônico são 1,4 mil vezes menos cancerígenos do que o cigarro convencional, mas contém diversos produtos químicos que podem trazer danos à saúde, como o nitrosamina e dietilenoglicol, substâncias cancerígenas que servem para dar sabor ao fumo. Por isso, o cigarro eletrônico também está proibido nos Estados Unidos.



- Postado por: Patrícia às 08h41
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




OMS pede que países ricos doem vacinas às nações mais pobres

                  

ISTAMBUL - Os países ricos deveriam deixar mais vacinas disponíveis às nações pobres nas quais o vírus H1N1, a gripe suína, está começando a se espalhar, disseram funcionários da Organização Mundial da Saúde (OMS), neste domingo, 4.

 As vacinas para a gripe suína se fizeram mais necessárias em países em desenvolvimento com sistemas de saúde debilitados e com grandes populações jovens, que estão mais vulneráveis à doença, consideram os funcionários do órgão. "É possível ver um padrão diferente de impacto uma vez que o vírus começa a se espalhar e as grandes epidemias ocorrem em algumas das comunidades mais pobres do mundo", disse Julie Hall, especialista de infecções da OMS.

 A agência, que declarou a gripe suína uma pandemia global em junho, diz que um terço da população mundial (cerca de 2,3 bilhões de pessoas) poderia pegar a gripe. Alguns países como os EUA, o Brasil e a França concordaram em destinar 10% de sua produção de vacina para países em desenvolvimento. Os laboratórios produtores doaram cerca de 150 milhões de doses a essas nações.

 Mas a OMS diz que mais doações são necessárias, segundo David Nabarro, coordenador da divisão de combate a novas variantes de gripe. "O desafio durante as próximas semanas é trabalhar com a solidariedade entre as nações ricas e os países pobres para assegurar que a quantidade de vacinas adequada estará disponível", disse.

 Setembro e outubro são os meses que marcam a temporada da gripe no hemisfério norte, mas há sinais de que uma segunda onda de gripe suína começará. "Já estamos vendo os EUA, países europeus, o Japão e o México anunciando um aumento repentino dos casos nas últimas semanas", disse Julie.

 Até o dia 20 de setembro, a gripe havia matado 3.917 pessoas em 191 países desde que foi identificada, em abril, segundo a OMS.

Os países pobres, sobretudo os africanos, estão a registar uma explosão diária de novos casos de gripe A e precisamde ajuda financeira urgente para aceder às vacinas que travem a pandemia. A constatação é da Organização Mundial de Saúde (OMS), que ontem voltou a pedir aos países industrializados, numa conferência sobre Fundos Monetários Internacionais em Istambul, na Turquia, que cedam alguns dos seus medicamentos e vacinas.

Se, até há algumas semanas, os países africanos eram dos menos afectados pelo vírus H1N1, a tendência parece estar a inverter-se. Só na África no Sul já se registaram cerca de 12 mil casos de gripe A, um terço dos quais nas últimas semanas, sendo que 60 pessoas acabaram por morrer (metade eram grávidas).

"Segundo as nossas previsões, as mutações do vírus serão mais graves nas comunidades mais pobres", alertou Julie Hall, da OMS, frisando que 85 países em vias de desenvolvimento dependerão exclusivamente de doações para imunizar a população - especialmente vulnerável ao vírus H1N1 pelo número doentes com sida, malária e tuberculose. O Brasil, Austrália, Grã-Bretanha, França, Itália, Nova Zelândia, Noruega, Suíça e EUA prometeram ajuda.



- Postado por: Patrícia às 10h35
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________




       CÂNCER DE MAMA

Como são as mamas:

As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que conduzem o leite produzido para fora pelo mamilo. Como todos os outros órgãos do corpo humano, também se encontram nas mamas vasos sanguíneos, que irrigam a mama de sangue, e os vasos linfáticos, por onde circula a linfa. A linfa é um líquido claro que tem uma função semelhante ao sangue de carregar nutrientes para as diversas partes do corpo e recolher as substâncias indesejáveis. Os vasos linfáticos se agrupam no que chamamos de gânglios linfáticos, ou ínguas. Os vasos linfáticos das mamas drenam para gânglios nas axilas (em baixo dos braços) na região do pescoço e no tórax.

Os tipos de câncer de mama:

O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma desordenada. A maioria dos cânceres de mama acomete as células dos ductos das mamas. Por isso, o câncer de mama mais comum se chama Carcinoma Ductal. Ele pode ser in situ, quando não passa das primeiras camadas de célula destes ductos, ou invasor, quando invade os tecidos em volta. Os cânceres que começam nos lóbulos da mama são chamados de Carcinoma Lobular e são menos comuns que o primeiro. Este tipo de câncer muito freqüentemente acomete as duas mamas. O Carcinoma Inflamatório de mama é um câncer mais raro e normalmente se apresenta de forma agressiva, comprometendo toda a mama, deixando-a vermelha, inchada e quente.

Fatores de risco para o câncer de mama:

O câncer de mama, como muitos dos cânceres, tem fatores de risco conhecidos. Alguns destes fatores são modificáveis, ou seja, pode-se alterar a exposição que uma pessoa tem a este determinado fator, diminuindo a sua chance de desenvolver este câncer.

Existem também os fatores de proteção. Estes são fatores que, se a pessoa está exposta, a sua chance de desenvolver este câncer é menor.

Os fatores conhecidos de risco e proteção do câncer de mama são os seguintes:

Idade:
 

 O câncer de mama é mais comum em mulheres acima de 50 anos. Quanto maior a idade maior a chance de ter este câncer. Mulheres com menos de 20 anos raramente têm este tipo de câncer.

Exposição excessiva a hormônios:
 

 Terapia de reposição hormonal (hormônios usados para combater os sintomas da menopausa) que contenham os hormônios femininos estrogênio e progesterona aumentam o risco de câncer de mama. Não tomar ou parar de tomar estes hormônios é uma decisão que a mulher deve tomar com o seu médico, pesando os riscos e benefícios desta medicação.
 Anticoncepcional oral (pílula) tomado por muitos anos também pode aumentar este risco.
 Retirar os ovários cirurgicamente diminui o risco de desenvolver o câncer de mama porque diminui a produção de estrogênio (menopausa cirúrgica).
 Algumas medicações "bloqueiam" a ação do estrogênio e são usadas em algumas mulheres que tem um risco muito aumentado de desenvolver este tipo de câncer. Usar estas medicações (como o Tamoxifen) é uma decisão tomada junto com o médico avaliando os risco e benefícios destas medicações.

Radiação:
 

 Faz parte do tratamento de algumas doenças irradiar a região do tórax. Antigamente muitas doenças benignas se tratavam com irradiação. Hoje, este procedimento é praticamente restrito ao tratamento de tumores. Pessoas que necessitaram irradiar a região do tórax ou das mamas têm um maior risco de desenvolver câncer de mama.

Dieta: 
 

 Ingerir bebida alcoólica em excesso está associado a um discreto aumento de desenvolver câncer de mama. A associação com a bebida de álcool é proporcional ao que se ingere, ou seja, quanto mais se bebe maior o risco de ter este câncer. Tomar menos de uma dose de bebida alcoólica por dia ajuda a prevenir este tipo de câncer (um cálice de vinho, uma garrafa pequena de cerveja ou uma dose de uísque são exemplos de uma dose de bebida alcoólica).Se beber, portanto, tomar menos que uma dose por dia.
 Mulheres obesas têm mais chance de desenvolver câncer de mama, principalmente quando este aumento de peso se dá após a menopausa ou após os 60 anos. Manter-se dentro do peso ideal (veja o cálculo de IMC neste site), principalmente após a menopausa diminui o risco deste tipo de câncer.
 Seguir uma dieta saudável, rica em alimentos de origem vegetal com frutas, verduras e legumes e pobre em gordura animal pode diminuir o risco de ter este tipo de câncer. Apesar dos estudos não serem completamente conclusivos sobre este fator de proteção, aderir a um estilo de vida saudável, que inclui este tipo de alimentação, diminui o risco de muitos cânceres, inclusive o câncer de mama (veja Dieta do Mediterrâneo neste site).

Exercício físico:
 

 Exercício físico normalmente diminui a quantidade de hormônio feminino circulante. Como este tipo de tumor está associado a esse hormônio, fazer exercício regularmente diminui o risco de ter câncer de mama, principalmente em mulheres que fazem ou fizeram exercício regular quando jovens.

História ginecológica:
 

 Não ter filhos ou engravidar pela primeira vez tarde (após os 35 anos) é fator de risco para o câncer de mama.
 Menstruar muito cedo (com 11 anos, ou antes) ou parar de menstruar muito tarde expõe a mulher mais tempo aos hormônios femininos e por isso aumenta o risco deste câncer.
 Amamentar, principalmente por um tempo longo, um ano ou mais somado todos os períodos de amamentação, pode diminuir o risco do câncer de mama

História familiar:
 

 Mulheres que tem parentes de primeiro grau, mães, irmãs ou filhas, com câncer de mama, principalmente se elas tiverem este câncer antes da menopausa, são grupo de risco para desenvolver este câncer.
 Apesar de raro, homens também podem ter câncer de mama e ter um parente de primeiro grau, como o pai, com este diagnóstico também eleva o risco familiar para o câncer de mama.
 Pessoas deste grupo de risco devem se aconselhar com o seu médico para definir a necessidade de fazer exames para identificar genes que possam estar presentes nestas famílias. Se detectado um maior risco genético, o médico pode propor algumas medidas para diminuir estes riscos. Algumas medidas podem ser bem radicais ou ter efeitos colaterais importantes. Retirar as mamas e tomar Tamoxifen são exemplos destas medidas. A indicação destes procedimentos e a discussão dos prós e contras é individual e deve ser tomada junto com um médico muito experiente nestes casos.

Alterações nas mamas:
 

 Ter tido um câncer de mama prévio é um dos maiores fatores de risco para este tipo de câncer. Manter-se dentro do peso ideal, fazer exercício físico, seguir corretamente as recomendações do seu médico e fazer os exames de revisão anuais são medidas importantes para diminuir a volta do tumor ou ter um segundo tumor de mama.
 Ter feito biópsias mesmo que para condições benignas está associado a um maior risco de ter câncer de mama.
 Mamas densas na mamografia está associado a um maior risco para este tumor. É muito importante que a mamografia seja feita em um serviço qualificado e que o exame seja comparado com exames anteriores (leia mais sobre Detecção Precoce do Câncer de Mama neste site).

Sintomas do câncer de mama:

O câncer de mama normalmente não dói. A mulher pode sentir um nódulo (ou caroço) que anteriormente ela não sentia. Isso deve fazer ela procurar o seu médico. O médico vai palpar as mamas, as axilas e a região do pescoço e clavículas e se sentir um nódulo na mama pedirá uma mamografia.

A mulher também pode notar uma deformidade na suas mamas, ou as mamas podem estar assimétricas. Ou ainda pode notar uma retração na pele ou um líquido sanguinolento saindo pelo mamilo. Nos casos mais adiantados pode aparecer uma "ferida" (ulceração) na pele com odor muito desagradável.

No caso de carcinoma inflamatório a mama pode aumentar rapidamente de volume, ficando quente e vermelha.

Na maioria dos casos, a mulher é a responsável pela primeira suspeita de um câncer. É fundamental que ela conheça as suas mamas e saiba quando alguma coisa anormal está acontecendo. As mamas se modificam ao longo do ciclo menstrual e ao longo da vida. Porém, alterações agudas e sintomas como os relacionados acima devem fazer a mulher procurar o seu médico rapidamente. Só ele pode dizer se estas alterações podem ou não ser um câncer.

Como se faz o diagnóstico de câncer de mama:

A mamografia é um Rx das mamas. Este exame também é feito para detecção precoce do câncer quando a mulher faz o exame mesmo sem ter nenhum sintoma (leia mais sobre Detecção Precoce do Câncer de Mama neste site). Caso a mama seja muito densa, o médico também vai pedir uma ecografia das mamas.

Se a mamografia mostra uma lesão suspeita, o médico indicará uma biópsia que pode ser feita por agulha fina ou por agulha grossa. Geralmente, esta biópsia é feita com a ajuda de uma ecografia para localizar bem o nódulo que será coletado o material, se o nódulo não for facilmente palpável. Após a coleta, o material é examinado por um patologista (exame anátomo-patológico) que definirá se esta lesão pode ser um câncer ou não.

Tratamento para o câncer de mama:

Existem vários tipos de tratamento para o câncer de mama. São vários os fatores que definem o que é mais adequado em cada caso. Antes da decisão de que tipo de tratamento é mais adequado o médico analisa o resultado do exame anátomo-patológico da biópsia ou da cirurgia se esta já tiver sido feita. Além disso, o médico pede exames de laboratório e de imagem para definir qual a extensão do tumor e se ele saiu da mama e se alojou em outras partes do corpo.

Se o tumor for pequeno, o primeiro procedimento é uma cirurgia onde se tira o tumor. Dependendo do tamanho da mama, da localização do tumor e do possível resultado estético da cirurgia, o cirurgião retira só o nódulo, uma parte da mama (geralmente um quarto da mama ou setorectomia) ou retira a mama inteira (mastectomia) e os gânglios axilares.

As características do tumor retirado e a extensão da cirurgia definem se a mulher necessitará de mais algum tratamento complementar ou não. Geralmente, se a mama não foi toda retirada, ela é encaminhada para radioterapia.

Dependendo do estadiamento, ou seja, quão avançada está a doença (tamanho, número de nódulos axilares comprometidos e envolvimento de outras áreas do corpo), também será indicada quimioterapia ou hormonioterapia. Radioterapia é o tratamento que se faz aplicando raios para eliminar qualquer célula que tenha sobrado no local da cirurgia que por ser tão pequena não foi localizada pelo cirurgião nem pelo patologista. Este tratamento é feito numa máquina e a duração e intensidade dependem das características do tumor e da paciente.

Quimioterapia é o uso de medicamentos, geralmente intravenosos, que matam células malignas circulantes. O tipo de quimioterápico utilizado depende se a mulher já está na menopausa e a extensão da sua doença. Hormonioterapia é o uso de medicações que bloqueiam a ação dos hormônios que aumentam o risco de desenvolver este tipo de câncer. Este tratamento é dado para aquelas pacientes em que o tumor mostrou ter estes receptores positivos (receptor de estrogênio e receptor de progesterona).

Detecção precoce do câncer de mama:

O exame de palpação realizado pelo médico e a mamografia são os exames realizados para uma detecção precoce desse tipo de câncer.

Como o médico faz esse exame?

O exame mais fácil de se realizar para se detectar uma alteração da mama é o exame de palpação. Neste exame o médico palpa toda a mama, a região da axila e a parte superior do tronco em busca de algum nódulo ou alteração da pele, como retração ou endurecimento, e de alguma alteração no mamilo.

A mamografia é um Raio X das mamas e das porções das axilas mais próximas das mamas. Nesse exame, o radiologista procura imagens sugestivas de alterações do tecido mamário e dos gânglios da axila. A ecografia das mamas pode auxiliar o radiologista a definir que tipo de alterações são essas.

Esses exames, quando realizados anualmente ou mais freqüentemente, dependendo da história individual da paciente (presença de fatores de risco ou história de tumores e biópsias prévias), pode diminuir a mortalidade por esse tipo de tumor, quando realizados entre os 50 e os 69 anos.

Porém, este tipo de tumor tem características diferentes para populações diferentes. Isto altera o quanto a mamografia é eficaz em diminuir a mortalidade por este tipo de tumor.

Realizar esses exames entre os 40 e os 49 anos pode diminuir a mortalidade por este tipo de tumor, mas o efeito dessa diminuição só se dará quando essas mulheres tiverem mais de 50 anos.



- Postado por: Patrícia às 09h32
[ ] [ envie esta mensagem ]

___________________________________________________